Ucrânia: na rota para o desastreUcrânia: na rota para o desastreUcrânia: na rota para o desastre
Переклад

Ucrânia: na rota para o desastre

Sergei Kirichuk
Ucrânia: na rota para o desastre
Enquanto o novo presidente ucraniano Petro Poroshenko bate os tambores de guerra, a economia ea esfera social mostram cada vez mais os sinais de crise sistêmica, que ameaça se transformar em um desastre em grande escala.

19.07.2014

Traduzido por Carlos Serrano Ferreira para o Diário Liberdade

Enquanto o novo presidente ucraniano Petro Poroshenko bate os tambores de guerra, a economia ea esfera social mostram cada vez mais os sinais de crise sistêmica, que ameaça se transformar em um desastre em grande escala. 

No meio disso, cantando slogans patrióticos, a população da Ucrânia está tentando recordar as habilidades de sobrevivência adquiridas durante a crise de 2008 - que, no entanto, parece uma memória calorosa em comparação com as sérias dificuldades que enfrentaremos no futuro próximo. Na verdade, de acordo com a maioria dos especialistas, uma nova onda de crise no Outono já não pode ser evitada.

Um dos problemas óbvios é o aumento dos preços dos combustíveis - o preço neste outono poderia chegar a um recorde histórico. Como conseqüência, haverá custos mais altos dos alimentos, juntamente com o aumento de aluguéis e serviços públicos e crescentes atrasos de salário para funcionários do Estado. E quando você considera que a Ucrânia ainda não pagou suas dívidas de gás e está com suas "relaçõs de abastecimento de combustível" seriamente degringoladas com seu principal fornecedor de petróleo e gás, a Rússia - nos próximos seis meses, a situação neste setor só piorará (dado o fato de que o gás russo será fornecido à Ucrânia em base a pré-pagamentos).

Como Poroshenko resolverá esses problemas? A resposta é óbvia: ele não vai. Em primeiro lugar, ele não tem a ascendência necessária. O governo está apenas formalmente subordinado ao presidente. De um modo geral, o gabinete chefiado pelo primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk está quase inteiramente composto por representantes da equipe de Tymoshenko, juntamente com seus aliados nazistas do Svoboda. E é duvidoso que Poroshenko, de alguma forma encontrará uma linha de compromisso com Yatsenuk. Em qualquer caso, o chefe do Gabinete terá a última palavra sobre as questões econômicos mais importantes, o que reduz significativamente a verdadeira autoridade do Poroshenko. Ele não pode influenciar significativamente os processos econômicos e, claramente, não tem planos para enfrentar a oligarquia local, da qual ele faz parte. Por isso, ele definitivamente não vai sacrificar seu capital para salvar o país.

Em segundo lugar, e mais importante, Poroshenko aparentemente nunca teve a intenção de tomar medidas sérias para superar a crise econômica, com planejamento em vez relegar todos os problemas do país como consequências da guerra e não culpar a si mesmo ou a divisão da Ucrânia causado pelo "EuroMaidan", mas culpar os inimigos internos e externos, cuja imagem está agora sendo ativamente criada pela raivosa histeria patriótica dos meios de comunicação. Paradoxalmente, enquanto destrói as relações econômicas com a Rússia (que, antes de tudo, fere economia ucraniana e os interesses do povo ucraniano) a coalizão governista de nazistas e neoliberais pretende declarar os futuros protestos contra sua própria política como "sabotagem e provocações de Moscou ".

Como resultado, a curto prazo, a Ucrânia vai enfrentar hiperinflação, cortes no orçamento e demissões em massa, redução dos salários reais no que diz respeito aos preços reais de produtos essenciais, e a ruína das pequenas empresas. Poderíamos dizer que a Ucrânia abriu a porta e não a um reino fabuloso, mas ao reino bastante real da pobreza. E embora nós não abrimos a porta, vamos ser empurrado por meio dos esforços dos políticos de direita e seus aliados - os oligarcas bilionários e seus mestres no Fundo Monetário Internacional, os Estados Unidos e a União Europeia.

No entanto, dada a contradição entre o gabinete e o presidente, enquanto suprimem os protestos sociais de massa, os novos donos do país em breve desencadearão uma luta interna pelo poder, e esta conduzirá a uma maior desestabilização da Ucrânia. Poroshenko vai certamente tentar formar "o seu próprio" Gabinete e Yatsenyuk não entregará o seu lugar sem luta. Isto levará a novos conflitos políticos em Kiev - e cada lado irá tentar jogar a cartada do Maidan, que se se transformou em uma multidão de bandidos políticos cínicos, que agora e no futuro organizam confrontos sangrentos e tiroteios no coração da capital.

Enquanto isso, a cada mês o país sentirá cada vez mais a pressão da crise - cujas consequências serão sentidas pela primeira vez pela proverbial "classe média" que apoiou entusiasticamente o Maidan. Isto nos permite lembrar o que aconteceu na década de 1990 - que agora está a acontecer novamente em uma escala ainda maior: o caos econômico, o florescimento do crime, uma redistribuição maciça da riqueza para os ricos. Tudo isto demoralizará a nação - logo o efeito da droga do chauvinismo eufórico será seguido de uma retirada dolorosa. E este pode ser o ponto chave na rebelião social real que se aproxima.

* Sergei Kirichuk é membro da direção do partido ucraniano marxista Borotba.

Original http://www.diarioliberdade.org/artigos-em-destaque/408-direitos-nacionais-e-imperialismo/50006-ucr%C3%A2nia-na-rota-para-o-desastre.html


Підтримка
  • BTC: bc1qu5fqdlu8zdxwwm3vpg35wqgw28wlqpl2ltcvnh
  • BCH: qp87gcztla4lpzq6p2nlxhu56wwgjsyl3y7euzzjvf
  • BTG: btg1qgeq82g7efnmawckajx7xr5wgdmnagn3j4gjv7x
  • ETH: 0xe51FF8F0D4d23022AE8e888b8d9B1213846ecaC0
  • LTC: ltc1q3vrqe8tyzcckgc2hwuq43f29488vngvrejq4dq
2011-2018 © - ЛІВА інтернет-журнал